Ø Necropolítica PDF/EPUB ↠

Necropolítica [Reading] ➿ Necropolítica ➶ Achille Mbembe – Thomashillier.co.uk El nuevo capitalismo del siglo XXI se rige por la necropol tica y el gobierno privado indirecto Ahora impera una nueva concepci n de la soberan a la de aquellos actores internacionales que deciden qui El nuevo capitalismo del siglo XXI se rige por la necropol tica y el gobierno privado indirecto Ahora impera una nueva concepci n de la soberan a la de aquellos actores internacionales que deciden qui n debe vivir y qui n debe morir en un momento dado, atendiendo a criterios estrictamente econ micos Y las nuevas guerras, en consecuencia, son actos b licos nom dicos que realizan empresas privadas en connivencia o no con los Estados, poco importa que no buscan obtener territorio ni someter a las poblaciones tan s lo afianzar recursos estrat gicos y obtener beneficios inmediatos a cualquier costeLa necropol tica ha conseguido transformar a los seres humanos en una mercanc a intercambiable o desechable seg n dicten los mercados Esta nueva forma de gesti n de las poblaciones quiz s m s evidente en el denominado tercer mundo y, en particular, en el continente africano es un paso m s respecto de la biopol tica enunciada por Foucault Una nueva manera de entender la realidad en la que la vida pierde toda su densidad y se convierte en una mera moneda de cambio para unos poderes oscuros, difusos y sin escr pulos.


About the Author: Achille Mbembe

Joseph Achille Mbembe, known as Achille Mbembe born , is a Cameroonian philosopher, political theorist, and public intellectualHe has written extensively in African history and politics, including La naissance du maquis dans le Sud Cameroun Paris, Karthala, On the Postcolony was published in Paris in in French and the English translation was published by the University of California Press, Berkeley, in In , Wits University Press published a new, African edition He has an A rating from the National Research Foundation.



10 thoughts on “Necropolítica

  1. Adriana Scarpin Adriana Scarpin says:

    Leitura rapid ssima que adentra os meandros da necropol tica, ao contr rio do que se pensa o seu auge n o foi com o holocausto nazista, mas sim com a pol tica de imperialismo colonial, na es invadidas e suas popula es sentenciadas morte em nome de uma supremacia europeia Mbembe ainda d o parecer que isso que ocorre hoje na Palestina tamb m.


  2. Tara Brabazon Tara Brabazon says:

    Rarely in life, do we have a chance to read a book, and know that we have been transformed through the reading process.This is a powerful book, of death, power, war, terrorism and racism Nanoracism is an astonishingly achingly biting concept that punctuates so much of the book The living and lived consequences of slavery and colonization soak each page.The four stars were given because I wantedI am greedy The attention to Fanon locks Mbembe into a particular discursive frame Rarely in life, do we have a chance to read a book, and know that we have been transformed through the reading process.This is a powerful book, of death, power, war, terrorism and racism Nanoracism is an astonishingly achingly biting concept that punctuates so much of the book The living and lived consequences of slavery and colonization soak each page.The four stars were given because I wantedI am greedy The attention to Fanon locks Mbembe into a particular discursive frame While I respect Fanon s theorization enormously, the brutalizing financialization of the last ten years requires different answers to very distinctive questions Further, Mbembe s engagement with the political economy is not strong His focus on terrorism, rather than its tendrils from international capitalism, results in a devastating attention to violence, but theincendiary brutality, particularly to women, is underplayed.A magnificent book A life changer A movement in thinking


  3. Pedro Moreira Pedro Moreira says:

    Esse homem perfeito, as cr ticas dele s o precisas e t o verdadeiras que se aplicam a outras realidades que ele nem analisou Mbembe faz tudo


  4. Steffi Steffi says:

    This collection of essays Necropolitics Duke University Press, 2019 by Achille Mbembe has been on my radar for a while Yeah, the white woman s quest to decolonize her bookshelf continues eye roll Obviously, necro death politics is some kind of reference or Fanonian expansion of Foucault s bio life politics Mbembe has already developed the concept in the early 2000s but this collection of essays, including an essay on Necropolitics, places this concept in its wider context of the cur This collection of essays Necropolitics Duke University Press, 2019 by Achille Mbembe has been on my radar for a while Yeah, the white woman s quest to decolonize her bookshelf continues eye roll Obviously, necro death politics is some kind of reference or Fanonian expansion of Foucault s bio life politics Mbembe has already developed the concept in the early 2000s but this collection of essays, including an essay on Necropolitics, places this concept in its wider context of the current state of increasing incompatibility of liberal democracy and capitalism and the rise of authoritarianism as the defining feature of the 21st century Hamid Dabashi s Europe and Its Shadows Coloniality after Empire Pluto Press, 2020 us also an excellent similar read on this.As with all, or most, postcolonial writers, this is no easy read btw did anybody ever manage to understand Gayatri Spivak Although lately I managed to find a way of reading these texts by approaching them like abstract art taking it all on in and let it work rather than trying to make sense of every line before seeing the whole argument In the intro, Mbembe describes his style as follows In so doing, I found nothingappropriate than a figural style of writing that oscillates between the vertiginous, dissolution, and dispersal Vertiginous, indeed There is no better way to summarize the book than in the two sentences from the intro Democracy, the plantation, and the colonial empire are objectively all part of the same historical matrix This originary structuring fact lies at the heart of every historical understanding of the violence of the contemporary global order You know how people write shitty things on wall tattoos in their kitchens like carpe diem or some other positive thinking crap, I could see this on my kitchen wall, totally ironic of course So, back to the book It s a bunch of essays that look at late capitalism global financial capitalism , its ever increasing inequality, militarization, enmity, and terror as well as by a resurgence of racist, fascist, and nationalist forces determined to exclude and kill Building on and going beyond Foucault s concept of biopolitics, Mbembe analyses the various contemporary powers of death, including social and civil death, necropolitics the war on terror, the various forms of camps, slums and other global surplus populations who are being forced to live in a state between life and death necropolitics and necropower accounts for the various ways in which, in our contemporary world, weapons are deployed in the interest of maximum destruction of persons and the creation of death worlds, new and unique forms of social existence in which vast populations are subjected to conditions of life conferring upon them the status of living dead It s similar to what Judith Butler refers to as grievable versus non grievable lives What s an important thread running through the essays is that the civil peace in the west depends in large parts on inflicting violence far away Drowning refugees on the EU s shores is not a contradiction but, in some Hegelian sense or other lol , is already part western democracy and its intrinsic relationship with imperialism Historically, liberal democracy has always needed a constitutive Other for its legitimation, an Other who is and is not at the same time part of the polis


  5. Miguel Duarte Miguel Duarte says:

    olhos do Ocidente, a hist ria de frica mas tamb m da Am rica come a com o Colonialismo, a partir do s c XV, que aos olhos dos colonizadores, era respons vel por trazer frica e a Am rica para o mundo, ignorando os milh es de Homens que j viviam nesses continentes, com a sua pr pria hist ria, aniquilados, quando n o escravizados, pelos colonizadores S no s culo XX, com as Guerras de Liberta o Nacional, estes povos subjugados se conseguiram sol olhos do Ocidente, a hist ria de frica mas tamb m da Am rica come a com o Colonialismo, a partir do s c XV, que aos olhos dos colonizadores, era respons vel por trazer frica e a Am rica para o mundo, ignorando os milh es de Homens que j viviam nesses continentes, com a sua pr pria hist ria, aniquilados, quando n o escravizados, pelos colonizadores S no s culo XX, com as Guerras de Liberta o Nacional, estes povos subjugados se conseguiram soltar das amarras do colonialismo que, entre outros, tinha trazido a escravatura e a discrimina o.Essa nova independ ncia e liberdade n o viria, no entanto, a resolver todos os problemas causados ao longo de cinco s culos, que haviam deixado graves fissuras nos colonizados Porque, se se pode dizer que a escravatura foi efectivamente abolida e repudiada pela grande maioria dos ocidentais de hoje, os estragos que causou n o foram apagados simplesmente pela mesma ter deixado de ser imposta, j nem referindo os s culos de trabalho for ado que se seguiram Num mundo p s colonial, onde os povos colonizados conseguiram finalmente auto administrar se atrav s de estados independentes, a mem ria do que se passou e, mais do que isso, as suas consequ ncias, ainda est o inteiramente presentes quer na vida Ocidental, quer, essencialmente, na dos povos anteriormente colonizados.Em Cr tica da Raz o Negra, publicado pela Ant gona em 2014, Achille Mbembe, fil sofo e cientista pol tico camaron s, um dos pensadores maiores do p s colonialismo, prop e se agregar num livro os diferentes conceitos e abordagens que marcaram o pensamento raciocinado sobre o Negro, enquanto ra a, enquanto ser Partindo dos conceitos desenvolvidos por pensadores antes de si, dos quais Frantz Fanon merece o principal destaque, a obra remete nos para a N gritude de Aim C saire ou para o Movimento Pan Africano de Marcus Garvey, aos quais reconhece imensas val ncias, mas que critica por perpetuarem o conceito de ra a, a distin o entre Negro e Branco Assim, estes resgatam o Negro da subalternidade, dando lhe uma identidade pr pria, t o relevante quanto a do Branco, mas continuam a manter a ra a enquanto conceito diferenciador Urge, ent o debater esta raz o negra, como o pr prio explica A express o raz o negra remete para o conjunto das delibera es acerca da distin o entre o instinto animal e a ratio do homem sendo o Negro o testemunho vivo da pr pria impossibilidade desta separa o Debater a raz o negra , portanto, retomar o conjunto de disputas acerca das regras de defini o do Negro O que , portanto, ser Negro Nos dias de hoje, a ra a tomada como dado adquirido, mas longe de ser espont nea, esta cren a na ra a foi cultivada, alimentada, reproduzida e disseminada atrav s de um conjunto de dispositivos teol gicos, culturais, pol ticos, econ micos e institucionais, dos quais a hist ria e a teoria cr tica da ra a acompanharam a evolu o e as consequ ncias ao longo dos s culos O Negro , ent o, uma cria o do colonialismo e do imperialismo, atrav s do retirar de toda a humanidade de algu m que usava apenas em proveito pr prio Da mesma forma, o Branco , a v rios respeitos, uma fantasia da imagina o europeia que o Ocidente se esfor ou por naturalizar e universalizar Tudo feito para justificar um projecto imperial em que o homem branco, confundido a civiliza o com a pr pria Europa , seria, segundo o pr prio, o nico a possuir vontade e capacidade de construir um percurso hist rico, impondo se, com recurso for a e viol ncia indiscriminada, s ind genas sociedades primitivas, regidas pela mentalidade selvagem Com o apogeu do tr fico de escravos a dar se em pleno s c XVIII, durante o Iluminismo, o conceito de modernidade ser , ent o, insepar vel do colonialismo, o seu advento coincide nte com o surgir do princ pio de ra a e com a lenta transforma o deste princ pio em paradigma principal, ontem como hoje, para as t cnicas de domina o , e do capitalismo, sendo a coloniza o uma forma de poder constituinte, na qual a rela o com a terra, as popula es e o territ rio associa, de modo in dito na hist ria da Humanidade, as tr s l gicas de ra a, da burocracia e do neg cio commercium , onde um sistema econ mico fundado na escravatura contribuir de maneira decisiva para a acumula o primitiva de capital Desse modo, as ideias modernas de liberdade, igualdade e at de democracia s o historicamente insepar veis da realidade da escravatura Al m de opera o do imagin rio , erguida de modo a perpetuar a rela o de for as e a acumula o de capital pelas pot ncias europeias, a ra a era um dispositivo de seguran a fundado naquilo que poder amos chamar o princ pio do enraizamento biol gico pela esp cie , onde a diferen a de qualidade entre as ra as se fazia da mesma forma em que, antigamente, recorrendo tem tica do sangue, se assegurava os privil gios da nobreza Neste per odo p s colonial de hoje, no entanto, o lugar da biologia foi substitu do pela cultura e pela religi o, tornando se estas o novo argument rio discriminat rio Protegidos atr s de uma pol tica de assimila o onde o objectivo dessubstancializar a diferen a, consideram se cidad os aptos para usufruir dos direitos c vicos apenas os ind genas convertidos e cultos.O seu mais recente livro, Pol ticas de Inimizade, publicado este ano tamb m pela Ant gona, o aprofundamento destas quest es, principalmente no que toca s converg ncias do pensamento do autor com o de Frantz Fanon, e tomando em conta os acontecimentos que v o marcando a segunda d cada do s c XXI, como a crise dos refugiados, ou o aumento securit rio face s recentes vagas de terrorismo.Para tal, parte da pr pria no o de democracia que, segundo o pr prio, cont m em si a col nia mas sobretudo da de soberania, expondo a sua interliga o com a viol ncia Mbembe vai al m do conceito de biopoder, de Michel Foucault, falando ent o de necropoder, a utiliza o da morte enquanto sistema de poder Para tal, utiliza exemplos como Israel e a Palestina , mostrando como a soberania agora exercida atrav s da cria o de zonas de morte, onde esta se torna o ltimo instrumento de dom nio e a principal forma de resist ncia.N o s fora do Ocidente, no entanto, que os conceitos de viol ncia e soberania est o interligados A pr pria soberania, segundo o autor, demonstra a inexist ncia do estado de excep o, especialmente em foco nos dias de hoje em casos como o estado de emerg ncia em Fran a, onde, recentemente, Emannuel Macron decidiu inscrever na lei medidas que estavam consagradas apenas no dito estado de emerg ncia, tornando as permanentes Atacando os direitos, da mesma forma que o fazem os actos terroristas, o Estado securit rio alimenta se de um estado de inseguran a que ele pr prio fomenta e para o qual pretende ser a resposta utilizando a reprodu o alargada do sentimento de terror para fabricar espantalhos destinados a meter lhes medo Nada disto, ir , portanto, parar num futuro pr ximo, j que a paz civil no Ocidente depende, assim, em grande medida das viol ncias dist ncia, de fogos de atrocidades que se acendem, de guerras de feudos e de outros massacres que acompanha o estabelecimento de pra as fortes e de feitorias nos quatro cantos do planeta e da institucionaliza o de um regime de desigualdade escala planet ria Na Europa, colocam se agora quest es mais ou menos semelhantes quelas que, h bem pouco tempo, in meras sociedades n o ocidentais, apanhadas nas malhas de for as muito mais destrutivas como a coloniza o e o imperialismo enfrentaram Teme se a chegada de quem vem de fora, n o se pensando que, nesses locais de onde as pessoas saem, a mesma reflex o ter sido feita quando, em termos bem mais violentos, os ocidentais l chegaram em s culos anteriores.Fruto desse imperialismo europeu, que levou migra o coerciva de seres de tantas outras partes do planeta, somos, e seremos sempre, seres de fronteira, feitos de pequenos empr stimos de sujeitos estrangeiros , e a nossa identidade n o uma quest o de subst ncia mas de plasticidade, de composi o, de abertura para o exterior de outra carne, de reciprocidade entre m ltiplas carnes e os seus m ltiplos nomes e lugares No entanto, o sujeito racista reconhece, em si mesmo, a humanidade n o naquilo que o faz a mesma coisa que os outros, mas naquilo que o distingue deles , numa permanente divis o entre eles e n s, respons vel pela reprodu o a uma escala molecular da viol ncia de tipo colonial e racial Nesse ponto, Mbembe muito claro s poss vel imaginar um mundo verdadeiramente comum e uma humanidade verdadeiramente universal quando formos capazes de assumir as mem rias de Todo o Mundo At l , muito h ainda por fazer, mas talvez ler Achille Mbembe seja um dos passos importantes nessa direc o


  6. Rebeca Costa Rebeca Costa says:

    Neste ensaio, Mbembe prop e uma complementa o do conceito de biopoder elaborado por Foucault A partir dos conceitos de biopoder e da necropol tica, o autor relaciona a produ o do terror e a cria o do inimigo em regi es como a Palestina e ex colonias africanas.Repleto de refer ncias, o autor n o se preocupa em explicar os diversos conceitos que cita ao longo do ensaio Al m disso, senti falta de uma explica o mais clara e acess vel dos conceitos de necropoder e necropol tica Por fim, restou Neste ensaio, Mbembe prop e uma complementa o do conceito de biopoder elaborado por Foucault A partir dos conceitos de biopoder e da necropol tica, o autor relaciona a produ o do terror e a cria o do inimigo em regi es como a Palestina e ex colonias africanas.Repleto de refer ncias, o autor n o se preocupa em explicar os diversos conceitos que cita ao longo do ensaio Al m disso, senti falta de uma explica o mais clara e acess vel dos conceitos de necropoder e necropol tica Por fim, restou uma sensa o de incompreens o quase que total do texto Ser que sou mesmo alfabetizada Fica a o questionamento.Por esses motivos, caso voc n o possua uma bagagem confi vel de no es de filosofia e teoria pol tica, n o recomendo a leitura Talvez seja mais proveitoso buscar autores que interpretem e expliquem de maneira did tica os conceitos formulados por Mbembe


  7. Sara Sara says:

    Um ensaio bem curto mas muito certeiro, doidera ler, Mbembe o bicho


  8. Uma Dwivedi Uma Dwivedi says:

    i am not an avid theory person, obsessed as i am with material consequence, but i thought this laid out some crucial connections and frameworks i was particularly interested in the chapter on viscerality, esp its mediations on the troubling consequences of technological logic


  9. Mariana Mariana says:

    Nesse ensaio Mbembe apresenta o conceito de necropol tica como o poder do Estado de ditar quem pode viver e quem deve morrer Leitura r pida mas n o f cil, com muitas reflex es filos ficas muitos conceitos da academia, principalmente de Foucault Popula es inteiras s o o alvo do soberano As vilas e cidades sitiadas s o cercadas e isoladas do mundo A vida cotidiana militarizada outorgada liberdade aos comandantes militares locais para usar seus pr prios crit rios sobre quando e em que Nesse ensaio Mbembe apresenta o conceito de necropol tica como o poder do Estado de ditar quem pode viver e quem deve morrer Leitura r pida mas n o f cil, com muitas reflex es filos ficas muitos conceitos da academia, principalmente de Foucault Popula es inteiras s o o alvo do soberano As vilas e cidades sitiadas s o cercadas e isoladas do mundo A vida cotidiana militarizada outorgada liberdade aos comandantes militares locais para usar seus pr prios crit rios sobre quando e em quem atirar s execu es a c u aberto somam se matan as invis veis colocando o review novamente por ordem de Rebeca


  10. Lucas Lucas says:

    Mbembe escreve como um acad mico franc s herm tico, prolixo, po tico e insuportavelmente dif cil de ler Talvez um leitor mais erudito que eu consiga saborear suas refer ncias de forma plena e instigante, mas mesmo se assim for creio ser minha obriga o criticar um estilo de escrita que, apesar de tratar de quest es graves de regi es perif ricas e invisibilizadas, se apresente como um doce a ucarado para uma elite intelectual A impress o persistente que se trata de um debate e conceitos es Mbembe escreve como um acad mico franc s herm tico, prolixo, po tico e insuportavelmente dif cil de ler Talvez um leitor mais erudito que eu consiga saborear suas refer ncias de forma plena e instigante, mas mesmo se assim for creio ser minha obriga o criticar um estilo de escrita que, apesar de tratar de quest es graves de regi es perif ricas e invisibilizadas, se apresente como um doce a ucarado para uma elite intelectual A impress o persistente que se trata de um debate e conceitos est reis em tudo que concerne a transforma o social pragm tica, mas com grande potencial de uso em rodas de conversas aonde se come caviar uma pena Afinal, o conceito de necropol tica me pareceu pretender apontar os pontos cegos da no o foucaultiana de biopoder Mbembe mostra como o exerc cio do poder e a soberania em regi es extremamente subalternas na ordem mundial se baseia em criar terror e morte constantemente e em escala monstruosa como a no o de ra a, presente tamb m na biopol tica, ainda orienta a constru o da imagem de um inimigo cuja morte nos deixaria mais forte e, mais fundamentalmente, como a ideia de Estado na o extremamente cara biopol tica tem pouca aplica o nas regi es subalternas Nestas regi es Palestina, ex colonias africanas, colonias de plantation, para citar exemplos , o controle sobre uma faixa territorial balela perto da soberania vertical, do controle absoluto sobre como as pessoas vivem e se movimentam em um territ rio Mbembe aponta para uma fus o interessante entre poderes locais e poderes transnacionais para cria o de grupos armados que fazem o controle de uma por o de territ rio Nestas reas pouco importa a dif cil constru o de uma autoridade soberana, mas sim a for a armada, a capacidade de criar morte e terror, o necropoder Assim como Foucault, Mbembe busca efetivamente as t cnicas de disciplina, controle e poder exercidas nas regi es subalternas Enquanto o franc s via o nascimento de ci ncias estat sticas no s culo XVII como essencial ao exerc cio do biopoder, o camaron s fala das tecnologias que controlam pelo alto, avi es, drones, torres Al m de armas com capacidade de produzir imediatamente genoc dios e destrui o em massa.Fora isso, o livro perde muito tempo tentando expor seu lastro te rico filos fico com trechos insuportavelmente longos e in teis em que se despeja no leitor considera es que s se sustentam com base na autoridade dos autores que a conceberam Eu removeria isso e trocaria a parte por resumos jornal sticos sobre a situa o nas regi es tratadas Na verdade, senti muito a necessidade de ler sobre os horrores concretos que serviram de inspira o ao conceito do que continuar lendo uma masturba o te rica feita justamente para ser lida em sala de jantares de pa ses desenvolvidos.Me permito uma nica exce o gostei muito da frase de Bataille que diz que a com dia o auto engano volunt rio do ser humano diante da trag dia absoluta da morte


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *